Tag Archives filme

Creed II – o que achei da sequência do filme

by

O filme…

Ontem fui assistir ao filme Creed II; sequência de: Creed: Nascido para lutar.

No primeiro filme vimos o início e estreitamento da relação entre Rocky e Adonis, assim como a grande parcela de nostalgia envolvida por toda a trajetória de Balboa. Em Creed II, o diálogo entre a dupla vai além e Adonis fica a frente de suas escolhas, independente da opinião de Rocky Balboa, seu treinador.

A grande questão de Balboa para Creed é: “Para quem (e para o quê) ele está lutando?”.

A sequência desenvolve além dos dois personagens, outras figuras da trama, no segundo filme por mais intensas e bem filmadas que sejam as cenas, as lutas dos ringues vão para além dos socos, o filme atinge a memória afetiva, tanto dos próprios personagens em si, quanto as nossas como telespectadores da história.

Colocados frente a frente novamente simplesmente por uma questão de marketing, Drago e Balboa se enfrentam de uma outra forma, através dos ”filhos”, Drago e Adonis, Dois jovens que, por mais talentosos que sejam, estão à sombra de um passado que acaba os definindo.. Viktor vive na busca de retomar o prestígio do pai que foi perdido após a luta com Rocky, enquanto Adonis percebe que o real motivo de estar lutando não é apenas a memória de seu pai.

“Aceitar a luta lhe fará mais digno de ser um Creed? O aproximará mais de seu pai Apollo ou de quem ele gostaria de ser? Ou melhor… Quem ele gostaria de ser? “

Vale a pena assistir?

Sim, muito! pelo menos, pra mim, que curto esse tipo de filme e AMO sequências, o filme está incrível.

Em Rocky IV, a missão de ambos os lutadores era o patriotismo (um filme marcante até hoje pela Guerra Fria). Mas em Creed II, Rússia e Estados Unidos são meros detalhes, que se relacionam mais ao psicológico dos lutadores do que a pátria em si. A missão aqui é pessoal e sua identidade se dá através de lutadores que receberam como “herança” o desejo de vingança ou a busca e entendimento de identidade.

Um assunto que eu acho super bacana de tratarmos em filmes, afinal essas questões de heranças e identidades são muito sérias e importantes no desenvolvimento de seres humanos mais felizes em suas próprias vidas e missões.

então corre lá no cinema pra ver creed II a sequência

A trama mistura nostalgia com novidade, e homenageia seus princípios de forma assertiva e sem exageros, reaproveitando uma trama já conhecida, com uma pitada mais forte de sensibilidade e ambiente ‘familiar’. Não há vilões nem heróis, porque, apesar dos golpes e rivalidades, percebemos em ambos os personagens suas necessidades e problemas particulares que os levaram a tais atitudes e anseios, principalmente no que diz respeito ao psíquico e sentimental.

A mensagem central do filme é bem bacana!

Corre pro cinema e assiste esse filme que tá show de boxe!!!

Um beijo e até o próximo post.

Capitão América e Riachuelo

by
“Capitão América: Guerra Civil” ganha coleção cápsula Riachuelo Moda Casa 
 Bonjour Chics!

Olha que fofa essa novidade da Riachuelo, eu adoro!

 

Antenada no mundo Geek, Riachuelo Moda Casa lança coleção cápsula inspirada no filme “Capitão América: Guerra Civil”. No dia 25 de abril os endereços da fast fashion recebem uma grande variedade de produtos com estampas dos personagens Capitão América, Homem de Ferro, Homem Aranha, Hulk, Viúva Negra entre outros.

A linha especial conta com jogo de cama casal e solteiro, toalha, almofada, capacho, passadeira, avental, edredon e porta travesseiro. Riachuelo ainda garante um presente exclusivo: na compra de duas peças da Marvel, os clientes ganham um *chaveiro.

*Os brindes são sujeitos à disponibilidade de estoque. Crétidos: index assessoria.

E vocês gostam desses artigos personalizados e com temas?

Beijos,

Kingsman – Agente secreto

by

olá pessoal que também adora cinema,

assisti esses dias kingsman, o filme trata da estória de uma organização de serviço secreto particular e inusitada..

Kingsman_The_Secret_Service_poster

Ficha técnica:

  1. Kingsman: The Secret Service é um filme de espionagem de ação e comédia, dirigido por Matthew Vaughn, e adaptado da série de quadrinhos de mesmo nome criada por Dave Gibbons e Mark Millar. O roteiro foi escrito por Vaughn e Jane Goldman. Wikipédia
  2. Data de lançamento: 29 de janeiro de 2015 (Reino Unido)
  3. Duração: 129 minuto

O filme mistura um estilo 007 com um pouco de comédia e algumas cenas surpresas bem malucas, mas muito bem feitas.

Os agentes da Kingsman precisam encontrar um novo participante qualificado que passe nos testes.

Trajes de alfaiataria masculino impecáveis, adorei. Todo homem deveria ter ternos como aqueles rs!

kingsman-hd-copert

50 Tons de Cinza

by

 

Olá chics,

Essa semana eu assisti ao filme 50 tons de cinza e vim contar pra vocês o que achei sobre a adaptação.

Não li o livro então vou falar sobre minhas impressões da adaptação em filme.

Quando Anastasia Steele entrevista o jovem empresário Christian Grey, descobre nele um homem atraente, brilhante e profundamente dominador. Ingênua e inocente, Ana se surpreende ao perceber que, a despeito da enigmática reserva de Grey, está desesperadamente atraída por ele. Incapaz de resistir à beleza discreta, à timidez e ao espírito independente de Ana, Grey admite que também a deseja – mas em seu próprios termos…

RTEmagicC_tumblr_mzxpwslMou1t00tavo1_1280.jpg

Acredito que todas as vezes que um diretor transfere histórias de livros para adaptação de cinema, ele acrescenta cenas que façam com que o filme seja mais atraente ao público.

Em 1914, D.W. Griffith começou a dirigir filmes de longa-metragem. Em 1915, com O Nascimento de uma Nação (1915), sobre a Guerra Civil Americana, realiza a primeira longa-metragem americana, tido como a base da criação da indústria cinematográfica de Hollywood.

Os filmes de cunho heroico que contavam históricas ou de valorização do país eram contatos de uma forma própria, diferente do cinema que estavam costumados a ver, dos filmes autorais ou italianos. aos poucos esse formato foi se moldando para diversos tipos de filme.

No cinema chamamos os filmes com histórias ”mais cotidianas” contadas com inicio, meio e fim de forma sutil e atrativa, no modelo americano, de narrativa clássica americana.

Acredito que 50 tons de cinza se encaixe nesse perfil, a estória da jovem moça que se apaixona pelo rico bonitão e se conhecem com um romance que cresce aos poucos, o que poucos espectadores puderam perceber é que a estória não se trata exatamente de um romance, na verdade o romance é uma ferramenta para mostrar que sentimentos podem modificar uma pessoa.

O filme trata de um jovem rico e egocêntrico com visíveis problemas psicológicos e psiquiátricos, acarretados por uma infância violenta e problemática, seguido de um caso de pedofilia e violência vivido por Grey em sua adolescência. Fatos como esse o levaram a ver o sexo por parâmetros de prazer e violência, nunca por amor ou afeto.

Em meu entendimento quando Grey conta que a amiga de sua mãe o apresenta a certos meios, e ao mesmo tempo demonstra a necessidade de castigar Anastácia quando ela comete gafes infantis como responder de mau jeito, ou fazer alguma falta de educação, ou simplesmente não obedecê, demonstra que a mulher que mantinha relações com o jovem misturava seus meios violentos de ensinar e educar uma criança ou adolescente com sexo, o que fez com que Grey associasse ambos (ensinamento, castigo e sexo), e os convertesse no que para ele se entende como uma relação de submissão, pois ao mesmo tempo ele tem dificuldades e necessita manter uma relação em que ele dá as ordens, por puro medo de se envolver ou sofrer.

Está claro que o intuito da estória é mostrar como o amor e a inocência de Anastácia poderá mudar os problemas que Grey nem percebe ter, pois para ele se trata de uma forma diferenciada de prazer, quando na verdade são problemas pessoais.

Acredito que adaptando o livro em uma narrativa clássica o diretor e a equipe tenham acrescentado ainda mais romance e cenas que cativam o público para que a estória não passe disso: um romance. Mas para bom entendedor não é.

O romance é um artifício cativador para contar sobre os dilemas de Grey e Anastácia em se entregarem mutuamente na busca de um crescimento evolutivo pessoal. e acredito que os outros capítulos mostrem um pouco mais disso, uma mudança através do amor..

Bem essas foram minhas primeiras impressões sobre a obra e a adaptação ao primeiro filme.. não posso opinar ainda sobre as continuações antes de ler.

Sobre simplesmente a adaptação, faz um papel correto, transforma uma estória confusa em romance e um assunto polêmico em algo um pouco mais natural, atraindo o público a se interessar em saber o que vai acontecer nos próximos episódios. Os atores me parecem atuar bem de acordo com os ‘tipos’ que lhes foram dados..figurino masculino bem bacana.

cinza

 

E vocês leitoras o que acharam do primeiro filme?

 

assinatura do blog

Loucas pra casar – o filme

by

Olá chics,

Essa semana assisti com minhas amigas queridas o filme loucas pra casar com Ingrid Guimarães, Tatá Werneck, Márcio Garcia entre outros atores ótimos.

Quis contar pra vocês o que achei!

O filme é ótimo, tem cenas super engraçadas, na verdade você acha que é uma comédia e no final… descobre um grande drama vivido por muitas mulheres.

Vale super a pena assistir, vocês vão dar muitas risadas e também refletir alguns assuntos, eu adorei!

filme1689_f2 066079.jpg-r_160_240-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

 

 

 

Quem viu e gostou conta pra gente?!!!!

 

 

assinatura do blog